quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Da miña ausencia





Parte do séquito que acompañou os meus restos ao contedor do lixo




Morrín durante uns días, pero non tiven culpa. Ao parecer, foi o cheiro o que alertou os veciños e os ladridos dos meus cans esfameados, que quedaron de porta fóra, o que impediu que se desen unha magra homenaxe cos meus escasos restos. Mas pronto, está todo resolto: viñeron (por sorte non houbo necesidade de que chamasen un cerralleiro, que tiñan copia das chaves para unha eventualidade inevitable destas), saíron de novo a correr para procurar máscaras con que amortecer o fedor, chamaron o forense para o levantamento do meu cadáver —tarefa que non foi en modo ningún pesada—, o seguro dos mortos para se faceren cargo dos custes —dos que eu xa antes me fixera cargo— e celebraron as cerimonias pertinentes, que constaron, basicamente, en prenderme lume e botar as cinzas no primeiro contedor de materia orgánica que encontraron.

Namentres, os culpables da miña morte temporal continúan soltos, unha vez que me devolveron á virtualidade restablecendo a conexión que me mantén con vida despois de tres días durísimos de illamento e unha conversa que prometía, que era, digo, fascinante, interrompida.

16 comentários:

condado disse...

Encántame que despois da vida siga a existir a net.
Benvida, pois!

Sun Iou Miou disse...

Non te xosca! Calquera morre se non, Condado!

(Morrer non sei se morrín, mas que foi un sen vivir, foi.)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Conversas interrompidas... na Net e na vida real elas acontecem. Por vezes falta coragem para as terminar.

Sun Iou Miou disse...

Por vezes, Carlos, infelizmente, não há maneira de as terminar, menos ainda de as continuar, porque as conversas são no mínimo a dois.

(Ah, desconfiava que me enganara ao assinar o comentário lá, mas pronto, não faz mal, algum dia tinha de ser.) (`_^)

Teté disse...

As pessoas que aparecem na foto são os teus vizinhos de Carrouchas?

É que têm um ar de quem está numa festa, não num funeral (mesmo que virtual)... (`_´)

Sun Iou Miou disse...

Ha! Teté, o meu funeral deveria ser uma festa. Isso aí é o Coro de Redondo, como o Janita Salomé e o Vitorino, nas Feiras Novas do outro dia em Ponte de Lima (texto "Corazón curado", no fim). (`_^)

Tá-se bem! disse...

ahahaha já me cheirava mal essa tua ausência... :p

Beijooo de quinta (já!!) :|

Sun Iou Miou disse...

Ai, Tá-se bem!, anda aqui uma a anunciar sempre hecatombes e dá no que dá.

Beijo de quinta já indo...

La queue bleue disse...

Bem-vinda, em qualquer caso.

Sun Iou Miou disse...

Ai, estaba eu con saudades de Lisboa, agora que baixarom as temperaturas, LQB. Damos un saltiño?

Ostras! Que tarde é! (E eu entusiasmada aquí a traducir un tocho de acuicultura: voume ter que mirar a cabeza.)

Vou xantar, con permiso.

Bicos.

(Ha! Non dera pola coincidencia nos textos teu e meu. Sintonía...? Cadê você? E xa lin outro nalgures com ese título...)

La queue bleue disse...

Damos um saltinho quando quiseres.
Si, algo de sincronia si que che temos. Eu ando algo ausente mas ainda ando por aqui...

Sun Iou Miou disse...

Presenza ausente. Andamos na mesma, LQB. Ou será ausencia presente. Case que si.

kanjas disse...

se te deram como morta que dirão de mim?

serei jesus?

Sun Iou Miou disse...

És um verdadeiro messias Fausto, és o que és. A tua desaparição foi anunciada, e depois ias enviando sinais pelo Sushi e o Slap, os teus apóstolos. O que não sei já é o que aconteceu com o melga, que o Estica ainda vai dando alguma coisa para ler.

kanjas disse...

O Estica entre trabalho e trabalho lá vai dizendo olá. do melga também não sei muito e do arieugon então...

Sun Iou Miou disse...

Do Arieugon já nem me lembrava, caro que ele se faz. (`_^)